História da Filosofia – Aula 7: O Ceticismo dos Sofistas

“Górgias, que foi o exemplo perfeito de um cético do século XX transplantado para a Grécia antiga […] manteve três proposições básicas: um, nada existe; dois, se alguma coisa existisse, você não poderia saber; três, se você pudesse saber, você não poderia se comunicar. Agora, isso é o que se chama de ceticismo.”
— Leonard Peikoff, curso “História da Filosofia”, ARI, Aula 7.
(Eu não gosto de arte moderna. Mas se procurarmos bem, talvez tenha algo para se aprender com ela. A escultura de aço “Protágoras”, de Charles Ginnever, bem poderia ser considerada a concretização de uma ideia filosófica. A escultura muda de forma à medida que os espectadores se movem em torno dela, o jogo de luz e sombra em suas formas triangulares dando vida à estrutura massiva. “Os sentidos enganam”, eu diria que é a mensagem. Mas, agora, tente imaginar alguém saltando dessa ideia malformada (porque não são os sentidos que estão errados, mas os conceitos que geramos a partir deles) para a conclusão de que nada existe. Talvez alguns dos juízes federais que trabalham no Edifício Burger, em St. Paul, Minnesota, onde “Protágoras” está instalada, gostariam que ela desaparecesse. Mas afirmar que ela nunca existiu seria um pouco forçado. No entanto, é exatamente isso que sofistas como Protágoras e Górgias faziam.)

Os sofistas foram tachados ao longo da história como professores gananciosos e imorais, mas isso é polêmica para um curso de história, ou um sobre Platão e sua obsessão por eles. Leonard Peikoff se concentra, em vez disso, nas ideias que eles apresentam — mesmo que sua ideia principal seja a negação de todas as ideias.

Continuar lendo

O.P.A.R – Capítulo 2: Preliminares para o Conhecimento

“Nenhum tipo de percepção sensorial pode registrar tudo. ‘A é A’ — e qualquer aparato perceptivo é limitado. Em virtude dela ser capaz de distinguir diretamente um aspecto da realidade, uma consciência pode não discriminar algum outro aspecto que requereria um tipo diferente de órgão dos sentidos. Quaisquer fatos que os sentidos registrem, no entanto, são fatos. E são esses fatos que eventualmente levam a mente ao resto do conhecimento.”
Leonard Peikoff, “O.P.A.R.”, páginas 43-44.
(Um lápis ou um graveto parece torto na água. Os antigos assumiram, portanto, que os sentidos são inválidos. O problema é quando os modernos continuam repetindo a mesma coisa.)

Epistemologia é a ciência que diz como uma consciência conceitual falível apreende uma realidade independente. Isso implica um processo volitivo operando com dados válidos. Portanto, o Objetivismo deve primeiro estabelecer dois fatos: que os sentidos são válidos, e que o homem é livre para pensar ou não.

Continuar lendo