Universalia II

Obrigado, Sr. Copleston.
(Frederick Copleston, (1907 – 1994). / CC BY-SA 1.0 / Contraste aumentado)

Como vimos na citação de Porfírio em Universalia, ele se absteve da luta pela verdade sobre os universais. Mas referindo-se ao problema apenas em relação a gêneros e espécies, penso que ele pode ter criado outro problema, um viés no estudo dos universais que atravessou toda a Idade Média até nossos dias para confundir nossas mentes ignorantes sobre o tema — minha mente ignorante, ao menos.

Continuar lendo

Anúncios

O Combatente – #5

Ele escuta muitas coisas interessantes, mas, fugazes, elas se vão quase tão rápido quanto chegam; só a morte permanece. Nem mesmo os motivos das mortes, os nomes das guerras ou as datas aproximadas ficam. Nada além do puro e grotesco fato de tantas mortes. Agora, enquanto ele olha para o passado do conforto do futuro, o tempo se comprime, a realidade perde importância, e o absurdo parece pouco mais do que meras palavras, palavras que nem mesmo mais usam tinta e papel.

Continuar lendo

Universalia

Debate imaginário entre Averróis e Porfírio.
Eu poderia apostar que o assunto seria o problema dos universais.

Começando com Sócrates e especialmente Platão, o “problema dos universais” (chamado universalia pelos lógicos da Idade Média) tem atormentado a história do pensamento até hoje. Mas o que foi — ou melhor, o que é — exatamente esse problema? Existe realmente um problema? Eu coloquei essa ideia na minha cabeça de que eu preciso me dedicar a este problema, mas a verdade é que eu ainda não entendo completamente a sua importância. O que eu gostaria de ser capaz de fazer é convencer um completo leigo em filosofia de que ele deveria se interessar por esse problema. No momento, acho isso completamente impossível. Abaixo, reproduzo algumas definições do problema que encontrei online apenas para começar a pensar no assunto. O caminho à frente será árduo, então vou começar devagar.

Continuar lendo

Quatro Categorias do Ser

Eu ainda não faço ideia do que é uma substância, e só tenho uma noção do que seria um universal. Mas eu sei bem o que é um acidente.

Meu último post sobre a “Metafísica” de Aristóteles não deu muito certo, eu sei. Mas agora vai piorar. Porque eu preciso de uma longa digressão para preparar o terreno para aquela coisa ilusória chamada entendimento. Aristóteles define o conceito de substância primeiro nas “Categorias“, uma obra geralmente considerada anterior à Metafísica, e que deve ser lida primeiro também. Lá ele explica os fundamentos de muitos termos que usa depois em todo o corpus. É lá também onde ele introduz suas famosas dez categorias do ser. Tudo o que quero aqui é chegar à primeira categoria, mas permita-me que eu ande por todo o caminho até lá.

Continuar lendo