O.P.A.R. – Capítulo 8: Virtudes (Integridade)

“O poder do bem é enorme, mas depende da sua consistência. É por isso que o bem tem que ser uma questão de ‘tudo ou nada’, ‘preto ou branco’ e porque o mal tem que ser parcial, ocasional, ‘cinza’. Ser mau ‘só às vezes’ é ser mau. Ser bom é ser bom o tempo todo, ou seja, por uma questão de princípio consistente e inviolável.”
Leonard Peikoff, “O.P.A.R.”, página 266.
Em outra vida, eu trabalhei com Lógica Nebulosa (ou “Fuzzy”), e eu costumava dizer que a “vida é nebulosa, mas eu sou booleano”, quando falávamos sobre integridade. É uma maneira difícil e nem sempre bem-sucedida de se viver, mas a única que me permite dormir à noite.
(Imagem por Kyle McDonald do Flickr / CC BY-NC-SA 2.0)

Integridade é lealdade em ação às convicções e valores de uma pessoa. Como Ayn ​​Rand colocou, o homem íntegro não pode “permitir nenhuma brecha entre corpo e mente, entre ação e pensamento, entre sua vida e suas convicções…” Mas para manter todos os seus juízos de valor à mão em meio à turbulência da vida cotidiana é uma tarefa volitiva. E uma muito difícil. Você precisa manter em foco o contexto completo de seu conhecimento, mantendo seus objetivos de longo prazo na frente de seus olhos o tempo todo. A única maneira de fazer isso é se você integrou seus conhecimentos e propósitos em princípios.

Continuar lendo