Uma Nota sobre Histórias da Filosofia

Já que eu compartilhei com você ontem um comentário muito impulsivo e rancoroso sobre um livro de história da filosofia, permita-me responder a isso com uma análise muito mais leve, mas tão impulsiva quanto a última. Esta é realmente uma ótima oportunidade para eu adiar novamente meus posts sobre Filosofia Contemporânea — minha prova já é amanhã, então, de fato, não há mais necessidade premente para esses posts. Meu único objetivo era matar dois coelhos com uma só cajadada ao estudar e acrescer o meu blog. Ainda não estou preparado para o idealismo alemão — careço tanto do conhecimento acadêmico quanto da tolerância nesse momento.

Continuar lendo

“No Coração das Trevas” de Conrad

O “Rei dos Belgas”, o barco que Joseph Conrad comandou no interior do Rio Congo, 1889.

Eu fiquei muito impressionado com a dualidade de tudo aquilo, pela maneira como você é arrancado da realidade comum e mergulhado em uma muito mais escura; uma que, no final, parece muito mais real do que aquela que você enxerga como verdadeira quando olha para si mesmo.

Continuar lendo

Culpadamente Sem-Vergonha

Eu estou cometendo um crime. Nesse exato momento.

Se há algum consolo e perdão na confissão, é isso que espero obter enquanto escrevo estas palavras. Mas eu sei que não há; minha consciência é implacável. Meu único recurso é fazer o que todo mundo faz, o que o homem parece ter sido esculpido para fazer desde a sua concepção como espécie: me evadir. Tudo o que eu desejo é que meu irmão não leia este post.

Continuar lendo

O Combatente – #5

Ele escuta muitas coisas interessantes, mas, fugazes, elas se vão quase tão rápido quanto chegam; só a morte permanece. Nem mesmo os motivos das mortes, os nomes das guerras ou as datas aproximadas ficam. Nada além do puro e grotesco fato de tantas mortes. Agora, enquanto ele olha para o passado do conforto do futuro, o tempo se comprime, a realidade perde importância, e o absurdo parece pouco mais do que meras palavras, palavras que nem mesmo mais usam tinta e papel.

Continuar lendo

Lembrar De Tudo

Lembrar de tudo.
(“Giordano Bruno”, um dos pais da Arte da Memória, por Matteo Mignani / CC BY 2.0)

Uma vez eu brinquei com a ideia de que eu não apenas leria os Grandes Livros do Mundo Ocidental, mas memorizaria tudo. Claro, eu estava me entregando a sonhos impossíveis, mas isso me levou a um universo inteiro de pensamento (literalmente) que eu nunca sonhara existir: a Arte da Memória.

Continuar lendo

Mestres Por Toda Parte

Os Grandes Livros do Mundo Ocidental — “Mestres por toda parte”.

Sempre ouvi falar de Aristóteles, Platão, Dante, Spinoza e Kant, mas nunca pensei que pessoas “normais” devessem lê-los. Eles pertencem à História, e o que quer que eles tenham contribuído para a sociedade já está embutido em nossas vidas cotidianas, já tendo influenciado quem fez o que tinha que ser feito para criar a era tecnológica em que vivemos e a sociedade pseudo-civilizada e caótica em que vivemos. No que dizia respeito a mim, eu não tinha que estudar Pitágoras — tudo que eu precisava saber era como calcular a hipotenusa. Na verdade, tudo o que precisamos agora é pressionar o botão correto em uma calculadora ou usar o comando certo em qualquer linguagem de programação comum. Eu sempre fui um homem prático. Eu faço coisas. Eu não fico sentado em casa na minha poltrona absorto em pensamentos. Por que eu deveria ler esses livros arcanos e complexos? Além disso, eu sabia que não entenderia muito, mesmo se tentasse.

Continuar lendo

O Homem Não Educado

O homem não educado.
(“Retrato de Aristóteles”, por Eric Gaba / CC BY-SA 2.5 / Trabalho derivado)

É difícil apontar exatamente como cheguei à Filosofia, mesmo que tudo tenha começado somente há alguns anos. As coisas não estavam boas na companhia (de novo) e eu estava consumido por sentimentos não identificados de ansiedade (como sempre), então eu finalmente tomei coragem, larguei meu emprego científico, e me tornei apenas um policial. Eu não podia continuar vivendo uma vida de mentiras, fingindo que eu era internamente o que parecia ser externamente. Tudo o que eu sabia era que precisava de respostas para perguntas que mal conseguia formular.

Continuar lendo