O.P.A.R. – Comentário: Definições e a Bagunça Analítico-Sintética de Kant)

“Como auxílio ao processo de conceitualização, os homens selecionam do conteúdo total do conceito algumas características; eles selecionam as que melhor condensam e diferenciam esse conteúdo em um determinado estágio do desenvolvimento humano. Essa seleção não reduz de forma alguma o conteúdo do conceito; pelo contrário, pressupõe a riqueza do conceito. Pressupõe que o conceito é uma integração de unidades, incluindo todas as suas características.”
Leonard Peikoff, “O.P.A.R.”, páginas 102-103.
(Há muita coisa errada na conclusão de Kant de que “devem existir juízos sintéticos a priori”, mas a parte “sintética” dela é devida a uma teoria dos conceitos defeituosa, uma que confunde a definição de um conceito com o seu conteúdo.)

Eu não participo da animosidade de Ayn Rand (e de Leonard Peikoff) contra Kant. No entanto, seu sistema filosófico não faz sentido para mim.

Continuar lendo