A Antítese do Combate: “É Meu”

“É meu”.
(por elijah)

As “crianças” do outro lado do vale teriam ficado muito surpresas, mas acolhedoras. Décadas teriam se passado sem ninguém para se observar, conversar ou brincar. Elas ficariam felizes em dar chocolate às crianças da pradaria e deixá-las brincar com seus brinquedos. Elas também teriam ouvido falar sobre os diferentes tipos de brinquedos que as crianças de baixo teriam, e ficariam mais do que felizes em provar a carne que elas teriam trazido. O vale onde viviam era muito estreito para permitir a criação de gado e tudo o que tinham eram cabras e galinhas. Só então eles perceberiam como estavam fartos de carne de cabra. Eles se proporiam a fornecer mais chocolate se os garotos da pradaria lhes trouxessem mais carne, e um acordo seria feito alegremente. Mas algo estranho aconteceria quando as crianças da pradaria pedissem por brinquedos em troca de ainda mais carne. As crianças da montanha não iriam aceitar trocar seus brinquedos.

Continuar lendo

A Estória da Civilização: Elementos Econômicos – Organização Econômica

Foi uma grande evolução moral quando o homem parou de matar ou comer seu próximo e passou apenas a escravizá-lo…
Will Durant, “Nossa Herança Oriental”, página 20.
(Um escravo de Louisiana ou Mississipi, 1863: apesar da escravidão no Brasil “ter acabado” ainda mais tarde que nos EUA, não encontro fotos de domínio público. Por que será?)

SUMÁRIO: A agricultura levou à propriedade, à desigualdade, à escravidão, à indústria, à luta de classes, ao Estado; ou seja, à “civilização”.

Continuar lendo

A Estória da Civilização: Elementos Econômicos – As Fundações da Indústria

“O homem, disse Franklin, é um ‘animal que usa ferramentas’.”
Will Durant, “Nossa Herança Oriental”, página 12.
(Um “lascador” de Irian Jaya, em Papua Ocidental, Nova Guiné: estudos sugerem que a habilidade desse tipo de produção de ferramentas de pedra é dominada por hominínios há cerca de 500 mil anos — e que isso indica a presença de algum tipo de linguagem já naquela época.)

SUMÁRIO: Começando com a descoberta do fogo, o homem passa a construir ferramentas e a produzir cada vez mais bens materiais e alimentícios, e, assim, aprimora suas condições de vida. Inicialmente, a melhora se dá pela utilização direta dos bens; posteriormente, pelo acúmulo de riquezas através da comercialização do excedente.

Continuar lendo