Sobre

Dante's dark forest

Nel mezzo del cammin di nostra vita / mi ritrovai per una selva oscura, / ché la diritta via era smarrita.
“No meio do caminho de nossa vida / eu me encontrei por uma selva escura / porque a direita via era perdida.”
(Divina Comédia, Canto 1, linhas 1-3)

Eu sou um policial civil do Rio de Janeiro, mas sempre me vi como um combatente. Eu acredito que a diferença ficará clara à medida em que esse site progredir. Combate é muito mais do que trocar tiro na favela; o combatente, muito mais do que apenas um policial.

Não me refiro aqui a capacitação tática ou lotação. Eu sou Falcão da CORE, Caveira do BOPE e SWAT. Curso não me falta. Mas eu já aprendi que o que realmente separa um policial do outro é se o cara é combatente ou não. Nada mais. Você pode trabalhar todo dia enfiado numa cadeira debaixo de uma pilha de processos e ser um grande combatente. Você pode vestir o preto, ser todo bombado, tatuado, ostentar um monte de brevês na gandola e ser um frouxo. O que interessa é na hora que o pau come. E, acredite, ele come.

Eu vou sim falar de combate aqui, mas muito mais de História e Filosofia. O combate interior, hoje, é bem mais importante. É ele que realmente separa o joio do trigo; o homem comum do combatente. É só olharmos o mundo lá fora querendo enxergar. Apenas um hipócrita idiota acha que há como melhorar a situação do Rio sem que vagabundo nenhum morra. Matar faz parte. Mas só um ignorante acha que matar resolve. Eu digo que o que resolve é História e Filosofia.

Quando estamos perdidos em uma selva escura, o que podemos fazer? Dante teve Virgílio para mostrar o caminho, mas nós não temos tanta sorte. No máximo, temos uma tocha à mão. E o que podemos fazer com ela é, primeiro, iluminar o caminho percorrido, para só depois tentar encontrar um novo caminho à frente. A luz é a Filosofia: o uso da Razão para integrar todo o conhecimento em busca dos fatos e valores fundamentais da vida do homem. O caminho percorrido é a História: a vida efetivamente vivida até hoje, com todos os seus horrores e lições. Sem ambas, passamos a vida em brancas nuvens, pouco mais do que animais satisfeitos com o imediato e com o banal.

Buscamos solucionar os problemas do mundo com guerras ou altruísmo, mas esquecemos do caminho mais fácil e mais eficaz:

Crie um filho dotado de uma moral ilibada e estará fazendo o melhor que pode.

Se todos fizerem igual a você, o mundo se resolve em uma única geração. Simples assim. Mas deixamos a educação de nossos filhos nas mãos da “Sociedade”, de “Deus”, ou da escola progressista mais próxima — nós deixamos a nossa educação cair no esquecimento.

Esse site sou eu, “no meio do caminho de nossa vida”, resolvendo me educar. Só assim poderei educar a minha filha. Esse site sou eu abrindo um novo front de combate na minha vida. Continuarei progredindo nas favelas, mas me tornarei um filósofo — um combatente-filósofo.

Minha esperança é maior, no entanto. É por isso que o nome deste site está no plural. Seria bom que você pudesse se juntar a mim nesta jornada. Afinal, o mundo também precisará do seu filho.