O.P.A.R – Capítulo 3: Formação dos Conceitos

“O experimento foi uma tentativa de descobrir a capacidade das aves de lidar com números. Quando os corvos estavam reunidos em uma clareira em algumas florestas, um homem entrou na clareira e caminhou para a floresta. Assim que ele apareceu, os corvos se esconderam nas copas das árvores; eles não sairiam até que o homem retornasse e saísse da área. Então três homens entraram; novamente os corvos se esconderam. Desta vez, apenas dois dos homens saíram e os corvos não saíram; eles sabiam que um ainda permanecia. Mas quando cinco homens chegaram e quatro foram embora, os corvos saíram, aparentemente confiantes de que o perigo estava acabado. Essas aves, ao que parece, poderiam discriminar e lidar com apenas três unidades; acima de três, as unidades ficaram borradas ou fundidas em sua consciência. A aritmética dos corvos, com efeito, seria: 1, 2, 3, muitos.”
Leonard Peikoff, “O.P.A.R.”, página 105.
(A “epistemologia do corvo”, como Ayn Rand a chamava informalmente, é o princípio subjacente à utilidade fundamental dos conceitos: integrar um grupo de concretos em um único todo mental – um dispositivo para alcançar a economia de unidades.)

Um animal conhece apenas um punhado de fatos concretos e age automaticamente sobre eles. Um homem, em contraste, vai além de suas observações, ele generaliza e identifica leis naturais, ele hipotetiza fatores causais, e ele projeta cursos alternativos de ação e consequências de longo prazo. O homem, em resumo, é um ser conceitual. Essa é a teoria, pelo menos; na prática, vemos animais por toda parte.

Em uma visão mais detalhada, a grande divisão cognitiva é a capacidade de perceber unidades. Tanto o animal quanto o homem têm o conceito implícito entidade – eles sabem que algo existe. Eles também têm o conceito implícito identidade – eles distinguem isso daquilo. No entanto, apenas o homem apreende semelhanças e diferenças entre essas entidades. Só o homem compreende uma unidade de um grupo maior de membros semelhantes, classificados com base não em subjetividade arbitrária, mas em um critério percebido na realidade. O conceito unidade é, portanto, uma ponte entre a metafísica e a epistemologia.

Iniciamos a formação de um conceito isolando um grupo de concretos do restante de nossas percepções com base em semelhanças observadas. Este é o processo de diferenciação. Mas nós podemos fazer pouco com tal grupo. O homem pode lidar com apenas um número limitado de unidades, digamos, seis ou oito objetos como mesas; o que dizer de milhares ou todas as mesas existentes? Para uma consciência estender seu alcance além de um punhado de concretos, ela precisa da capacidade de condensar seu conteúdo. Este é o processo de integração. Nós mesclamos as unidades em uma nova entidade com base em suas características essenciais, uma entidade mental que agora pode representar um número ilimitado de concretos – um conceito. Esse é o poder da abstração, aquilo que define o homem como tal.

Ayn Rand diz que há uma conexão essencial entre formação de conceitos e matemática. A matemática é a ciência da medição. A medição, por sua vez, é o processo de levar o universo à escala do conhecimento humano. Tanto a medição quanto a conceituação, declara Ayn Rand, envolvem a descoberta de um relacionamento matemático entre os concretos. Quando formamos um conceito, retemos as características dos concretos, mas omitimos suas medidas. Essa é a essência da abstração.

A fim de reter esses conceitos atrelados à realidade (evitando “abstrações flutuantes”), no entanto, o homem precisa de definições. Uma definição identifica as unidades de um conceito especificando suas características essenciais, aquelas que as agrupam e as diferenciam do restante dos existentes em um dado contexto de conhecimento. Mas a definição não é intercambiável com o próprio conceito; um conceito inclui todas as características dos existentes que subsume, estejam contidas ou não na definição.

Por fim, a palavra é a “cereja do bolo” (embora essencial), um atalho linguístico que nos permite referenciar toda a soma dos concretos de uma só vez, possibilitando o raciocínio. Um conceito é agora uma entidade mental.

Dizem que “uma imagem vale mais que mil palavras”; Leonard Peikoff diz que “uma palavra vale mais que mil imagens”. Eu entendi agora.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s